A SÉTIMA NOITE

“é sempre mais difícil ancorar um navio no espaço” – Ana Cristina César.

Afastei as muralhas, de par em par, e ofereci meu ombro para o sol se deitar. Acariciei a púrpura essência do crepúsculo até que tudo se tornasse azul marinho. Azul espaço. Deixei o dia acabar entre pérolas e jóias roubadas pela escuridão. Deixei o dia acabar em meus braços. E agora tenho a noite toda para inventar um novo dia. Aqui fora, longe dos limites e das muralhas sufocantes do mundo. Aqui fora, no espaço deserto onde brotará a primeira rosa de minha última vida.

Anúncios

~ por jeronimooo em maio 6, 2010.

2 Respostas to “A SÉTIMA NOITE”

  1. Que assim seja amigo

  2. Como você consegue escrever coisas tão lindas? =P

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: