A PAZ QUE EU NÃO QUERO SENTIR

 

don_quixote_dore

Diplomacia barata
Não quero esse tipo de acordo
Estou descabelado demais para entrar no salão
Deixe-me aqui fora
Quero morder o espaço
Mastigar as distâncias
E insultar
De boca cheia
Todos esses adestradores do instinto
Esses anestesistas da alma
Longe de mim querer
Esse bem-estar muito bem maquiado
Pois ao contrário desses sorrisos amenos
Minha dor não me engana
Ela é a criança que diz o que pensa
Mas que se cala enquanto corre ao meu lado
Então vai
Junte-se aos seus
E deixe-me aqui fora
Há moinhos o bastante
Para sustentar minha própria festa.

Anúncios

~ por jeronimooo em dezembro 3, 2008.

4 Respostas to “A PAZ QUE EU NÃO QUERO SENTIR”

  1. moinhos girando com a frenesi de mosntros escabrosos…
    são tantos, mas tantos…
    que nossa felicidade é que para cada escatólogico ser…temos a mesma quantidade maravilhosa de donzelas…maravilhosos… ansiosas de nossos esforços guerreiros de lanças tortas…
    não precisamos consquistar a rainha que vc oferece, pois ela já tem seu rei….
    e nós seremos o cavaleiro branco/cavaleiro negro de qq donzela merecedora de atenção…
    uma delas será única… e eu poderei me esquecer em seu salvamento na morte rotatória de vendavais imperiais…
    sim, deixe-nos aqui fora!!!!

  2. vou continuar berrando…até que eu morra…ou encontre alguém pra berrar comigo…

  3. sao tantas as coincidencias…que meu peito apertou aqui!!!

  4. Diplomacia barata… Disse tudo!!
    E a paz que não quero sentir… uauuu…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: